Escola de Inglês Curitiba

Variações fonéticas no inglês americano

Uma das maiores preocupações dos alunos do idioma inglês é a pronúncia. Muitas pessoas têm como principal objetivo no idioma soar como um nativo, ou seja, ter um sotaque perfeito. Mas, qual seria o sotaque correto? Qual é o sotaque correto do português? No sul do Brasil falamos a letra “R” de um jeito e no nordeste a pronúncia é totalmente diferente.

O idioma inglês é a língua materna de mais de 60 países, com isso a variação fonética do idioma é apenas um resultado orgânico do desenvolvimento do idioma. Neste post voltaremos nosso foco às diferentes fonéticas do inglês americano.

O idioma inglês americano tem como característica ser uma língua mais aberta, diferentemente do britânico. A letra “T” no inglês americano soa muito como um “R” em palavras como party. Obviamente não podemos tomar o inglês americano como único e homogêneo, isso seria uma afronta ao que acabamos de dizer no primeiro parágrafo.

O inglês que aprendemos em escolas, que ouvimos em músicas e filmes é o chamado GenAm, ou seja, o General American. O GenAm iniciou-se em Ohio, na região denominada Rust Belt (cinturão da ferrugem). O GenAm se popularizou nos Estados Unidos devido ao grande número de rádios originais de Ohio. A nomenclatura no GenAm continua sendo debatida entre acadêmicos e pesquisadores, uma grande maioria prefere o termo “Standard American English” (inglês americano padrão).

INGLÊS DE NOVA YORK

O sotaque nova-iorquino é um dos mais famosos dos Estados Unidos, grande parte da sua popularização se deve a filmes e séries como “The King of Queens”. Parte da fonética de Nova York deve-se aos emigrantes italianos, regiões como Staten Island e Brooklyn têm forte influência do sotaque italiano. Ainda nestes locais descendentes de italianos possuem uma pronúncia bem carregada

Nesta fonética a letra “r” é pronunciada de forma suave, já as vogais são mais carregadas. Palavras como car e park são pronunciadas de maneira diferente, “cah” e “pahk” representam como as duas palavras são pronunciadas.

Outro exemplo bem interessante sobre o sotaque do idioma inglês de nova York é a pronúncia da letra “g” no final das palavras. No inglês nova-iorquino o “g” não é pronunciado no final das palavras, going, por exemplo, é pronunciado como “goin”. Ainda sobre a letra “g” um exemplo bem famoso que deve ser pontuado é a pronúncia de Long Island, que no inglês nova-iorquino é pronunciado como “Law Guyland”.

A grande utilização da palavra like (em uma colocação traduzida para “como”) é derivada da região de Nova York. Neste sotaque várias palavras são reduzidas ou letras são trocadas. Ao invés de falarmos kind of utilizamos o “kinda”, new torna-se algo como “nu”

INGLÊS DO LESTE DE NEW ENGLAND

Este soque é falado principalmente em locais como Massachusetts, Rhode Island, Maine, e Boston. Esta pronúncia é uma mistura do inglês moderno e o inglês médio. Assim como no sotaque nova-iorquino a letra “r” é pronunciada de forma mais leve, mas vale à pena salientar que não devemos generalizar esta pronúncia para todas as regiões citadas, nem todas eliminam o “r”.

Ainda sobre a letra “r” devemos mencionar que, em uma frase onde uma palavra terminada com “r” é seguida por uma palavra iniciada com vogal juntamos o “r” com a vogal, “where are you?” neste caso seria pronunciado como “Whe-rah ya?”.

No idioma inglês é muito comum a variação fonética das vogais, no caso do sotaque de Boston “o” é pronunciado com “ah”, ao invés de Boston diríamos “Bahstin”. Ainda sobre este “ah” usa-se esta fonética em palavras que levam a letra a, por exemplo, last que ao invés de ser pronunciado como “lehst” torna-se “lahst”. Assista entrevistas e ouça John F. Kennedy falando, você provavelmente irá se deparar com palavras como Cuba sendo pronunciadas como “Cuber”.

O INGLÊS SULISTA

Este sotaque talvez seja um dos mais famosos, isso se deve ao fato de muitas vezes ser alvo de piadas. O idioma inglês com sotaque sulista mais representativo é o da região do Golfo do México, regiões como Texas e o Tennessee são famosas por carregarem esta fonética. Este sotaque costuma carregar a fonética mais temida pelos estudantes do idioma inglês, e trata-se mesmo de uma fonética muito diferente da que estamos habituados.

Os texanos são famosos por deletar o fonema /ay/ no final de palavras e frases, aqui buy é pronunciado apenas como “ba”. Expressões como “give me” são aglutinadas para soarem como o famoso “gimme”. Além disso, muitos fonemas que na escrita são diferentes acabam sendo pronunciados quase que de maneira indissociável. Palavras terminadas em -in, -en, -im e –em tem a mesma pronúncia, resultando em vários erros de entendimento por parte de falantes de outras fonéticas.

Conhecemos bem o Texas devido às canções, a cultura e os filmes que caracterizam esta região como os “caipiras dos Estados Unidos”. E o interessante aqui é que como no Brasil, os ditos “caipiras” têm uma pronúncia única e notável da letra “r”. Este “r” intrusivo transforma palavras como Washington em “Warshington”, bem parecido com o que acontece nos sotaques do interior brasileiro onde o “r” é bem puxado, “porrrrta”, “merrrrcado” e “barrrrba” são exemplos quase equivalentes ao “americano caipira”.

Além de todas estas diferenças entre os sotaques dentro dos Estados Unidos existem também as diferenças entre o idioma inglês americano e o britânico. Para identificar um falante americano do idioma inglês finalizamos aqui com algumas especificidades americanas.

  • You guys e Y’all, uma estratégia criada pelos americanos para diferenciar o singular e o plural da palavra you. Neste caso estamos nos referindo ao plural.
  • For Real, esta é uma expressão muito utilizada por americanos para enfatizar a verdade de uma afirmação. Por exemplo, “It was not my fault, for real”.
  • Gírias para dinheiro, no inglês americano são usadas muitas gírias para se referir à dinheiro, algumas delas são dough,Green,bucks,bills e smackers.

Gostou do artigo? Então deixe um comentário dizendo a sua opinião.

Pensando em fazer um curso de inglês? Então clique aqui e confira os nossos descontos! 

Leia também: 7 motivos pelos quais você deve fazer um curso de idiomas presencial

Sem Comentários

Escreva sua mensagem